top of page
  • Foto do escritorViviane Campos

Vinho vegano? Saiba qual a diferença da bebida comum para a certificada

Processo que determina se o vinho é vegano está na etapa de produção


Quando se fala em vinho, o astro principal é a uva. Por conta disso, muita gente acredita que a bebida, por si só, é um produto vegano. Mas a realidade é que nem todos os vinhos podem ser incluídos nesta classificação, pois existem diferenças entre a bebida comum e a que pode receber o selo de vegana. 


A principal diferença está no processo da vinificação. Ao longo do processo de produção, o vinho passa por uma etapa chamada de clarificação, que consiste em deixar a bebida mais pura, intensificando a coloração e o brilho, além de retirar resíduos que ficam no líquido. Alguns dos produtos utilizados para a clarificação levam insumos de origem animal, como albumina (da clara de ovo), caseína (da proteína do leite) ou cola de peixe. Dessa forma, o vinho acaba deixando de ser um produto exclusivamente vegetal. 


O que faz um vinho ser vegano?


Para que o vinho possa ser considerado vegano o produtor precisa adequar os processos e insumos utilizados. Na clarificação, por exemplo, pode-se utilizar a bentonita, um tipo de argila que filtra as impurezas da bebida sem a utilização de produtos de origem animal. 


O sommelier da Enoteca Decanter Tiago Locatelli explica que além da bentonita para a filtragem, podem ser usadas também outras proteínas de origem vegetal durante a produção, pois alguns processos exigem uma proteína para a estabilização do vinho. “Outro aspecto importante é que os vinhos certificados veganos não podem usar animais para trabalhos na lavoura, o que é comum em algumas regiões”, ressalta, destacando que para que um vinho seja considerado vegano não pode haver uso ou exploração animal de nenhum tipo ao longo de toda a cadeia produtiva. 


Como identificar um vinho vegano?


Alguns vinhos possuem selos ou avisos no rótulo de que seus produtos são veganos. Porém, muitas vezes é difícil encontrar esse tipo de identificação porque, apesar dos insumos animais fazerem parte do processo de clarificação do vinho, esse material, chamado de agente coagulante, é descartado com os resíduos filtrados. Dessa forma, ele não está presente na composição final do produto.


Alguns vinhos possuem informações como “não filtrado”, “não afinado” ou “método de auto clarificação natural”. Esses termos indicam que nenhum componente externo foi usado no processo de clarificação ou que esse processo não foi realizado. 


Outra saída é procurar a página institucional da empresa produtora e pesquisar ali por informações do processo de produção do vinho. É o caso da Enoteca Decanter, que traz informações detalhadas sobre as bebidas e, no site, permite a busca tipos de vinhos específicos, incluindo os veganos.


Vinhos veganos disponíveis no Brasil


Com quase 50 tipos de vinhos veganos disponíveis no portfólio, a Decanter tem algumas sugestões para os veganos que buscam bebidas de qualidade - e também para os apaixonados por vinhos que querem provar novos sabores.  



Clássico Cabernet de Colchágua, no Chile, com perfil maduro no nariz, frutas negras em calda, cassis, menta e especiarias. Tem bom corpo, voltado para a fruta, com textura macia, volume e equilíbrio. Harmoniza finamente com costeletas de porco assadas na brasa, filé mignon com molho de champignon e vinho tinto e guisados de boi com legumes.



Um exótico branco produzido pelo renomado Alain Brumont, tem cor limão com reflexos esverdeados. O caráter do Sauvignon domina o olfato com cítricos, maracujá e funcho, enquanto o Gros Manseng garante em boca equilíbrio, comprimento e energia.Para harmonizar, aposte em pratos frescos e leves, como o ravióli de espinafre salteado na manteiga de sálvia fresca, salada de folhas nobres com queijo boursin ou a clássica Quiche Lorraine.



Um rosé de Malbec com pequena dose de Torrontés para conferir frescor a notas florais. Exibe aromas de cerejas ácidas, marmelo, ervas e flores brancas. Na boca é delicioso, fresco, vibrante, com ótima intensidade de fruta que permanece no final suculento. É a bebida perfeita para um aperitivo, para ser degustada com canapés e entradas leves, culinária japonesa - sushi, sashimi e tempura - e lulas a dorê.


Além destes rótulos, outras opções estão disponíveis no site www.decanter.com.br para os amantes de vinho veganos ou mesmo para quem tem curiosidade em experimentar novos sabores.


Foto: divulgação

Commentaires


bottom of page