• Viviane Campos

Primeiros vinhos de corte da Vinícola Arte Viva propõem interação entre diferentes terroirs gaúchos

Rótulos sugerem experiência sensorial durante a degustação

Cinco variedades cultivadas na Serra e na Campanha Gaúcha compõem os dois primeiros blends da Vinícola Arte Viva, que acabam de chegar ao mercado. Elaborados com um corte de Tannat, Merlot, Alicante Bouchet, Cabernet Franc e Marselan, as novidades propõem uma experiência sensorial aos apaixonados por vinhos, por meio da interação entre os dois principais terroirs gaúchos para o plantio de uvas. Foi essa a proposta que guiou Giovanni Ferrari no processo de produção do Arteviva Sinônimos Blend 2021 e do Arte Viva Sinônimos Blend Singular Tannat 2021, que confirmam o talento do enólogo na produção de vinhos autorais. "São vinhos ecléticos, que agradam tanto o paladar de iniciantes quanto de especialistas", afirma Ferrari.


Para criar a experiência, o enólogo partiu de um lote inicial de 5 mil litros de um blend com amadurecimento em carvalho francês composto por 40% de Merlot (Vale dos Vinhedos e Cotiporã), 31% de Tannat (Santana do Livramento), 12% de Cabernet Franc (Quaraí), 12% de Alicante Bouchet (Cotiporã) e 5% de Marselan (Santana do Livramento). A partir disso, Ferrari dividiu o produto em dois cortes de 2,5 mil litros cada e acrescentou em um deles uma barrica de varietal Tannat, resultando no Blend Singular Tannat, cuja proporção ficou em 37,36% Tannat, 36,3% Merlot, 10,9% Cabernet Franc, 10,9% Alicante Bouchet e 4,54% Marselan


É preciso ter muito conhecimento para formar um blend, no sentido de saber explorar a singularidade de cada casta. Nesse caso, o que o tannat te dá de singular que vai agregar ao corte? Por exemplo, a Cabernet Franc e a Marselan trazem muita fruta madura, porém se deixar muita fruta madura fica um vinho enjoativo. Aí vem a Merlot com a complexidade aromática, um toque de erva fina, fruta vermelha. A Alicante traz aroma mais herbáceo e um toque de tabaco e algumas especiarias, mesmo sem passar pelo carvalho. A Tannat é bastante potente, marca muito. O Singular veio justamente para mostrar isso. O blend é o meu serviço favorito", explica o enólogo, acrescentando que, com o novo rótulo, abrem-se possibilidades para elaborar cortes aumentando a proporção de qualquer uma das variedades presentes no corte, inclusive mesclando diferentes safras.

Experiência

Com o Arteviva Sinônimos Blend e o Arteviva Sinônimos Blend Singular Tannat, o público poderá adquirir o kit com duas garrafas - uma de cada rótulo - ou caixas fechadas com seis garrafas do mesmo produto. "Dá para fazer várias dinâmicas. É legal fazer a comparação e analisar o que a Tannat aporta ao vinho. Muda totalmente. É como se o consumidor estivesse na vinícola participando da mesa de decisões na elaboração do produto", sugere Ferrari.


Os vinhos

Arteviva Sinônimos Blend 2021

Apresenta notas de baunilha e cappuccino integradas com frutas vermelhas em compota. Logo após, destaca a presença de frutos negros, tais como amoras e mirtilo, agregando complexidade. Em boca, revela-se consistente e de média persistência, devido ao equilíbrio tanino/álcool/acidez. Álcool: 13,24%.


Arteviva Sinônimos Blend Singular Tannat 2021

Nasce para proporcionar uma experiência comparativa com o Sinônimos Blend. O Tannat entra em evidência com maior aporte de taninos, revelando no olfato notas de ameixa preta, cacau e mentolado, unindo com as frutas negras, especiarias e o café das demais variedades, proporcionando a harmonia do produto. No paladar é equilibrado, com taninos macios e bom volume. O retrogosto condiz com as notas aromáticas e toda a sua composição sustenta uma persistência longa. Álcool: 13,06%.

Crédito das fotos: Rodi Goulart

Sobre a Arte Viva

A Vinícola Arte Viva é especializada em vinhos e espumantes premium e super premium na Serra Gaúcha, com a missão de elaborar produtos com expressão da essência, proporcionando sensações únicas. Alicerçado em valores como integridade, responsabilidade, criatividade e sustentabilidade, o projeto do enólogo bento-gonçalvense Giovanni Ferrari tem sua unidade de elaboração na Linha 100 da Leopoldina, no município de Monte Belo do Sul. Atualmente, o volume de produção é de 55 mil garrafas/ano, distribuídas em quatro linhas: Ícone, Elementar, Especiais e Sinônimos. Com formação em Viticultura e Enologia pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFRS), Campus Bento Gonçalves, Ferrari iniciou sua trajetória profissional em 2009, quando conheceu os vinhos finos de alta gama. Com passagens por vinícolas de pequeno, médio e grande porte no Brasil, também realizou estágios no Douro (Portugal) e em Epernay (França).


Fotos: divulgação