top of page
  • Foto do escritorViviane Campos

Primeira Cafeteria Bialetti do Mundo é inaugurada no Brasil

Cafés especiais, produzidos no Brasil, levam a chancela da icônica marca italiana. Bialetti revolucionou o segmento, com a invenção da Moka Express que, em 2023, completa 90 anos



Com o olhar voltado à paixão do brasileiro pelo café, está sendo inaugurada, no Shopping Iguatemi Campinas, a Bialetti Cafeteria. É a primeira cafeteria do mundo que leva chancela da italiana Bialetti, marca símbolo do café e design italianos, com mais de 100 anos de história. O idealizador do empreendimento inédito é Umberto Milo. Italiano, radicado no Brasil. ele foi o responsável por trazer ao Brasil, de forma regular, as famosas MOKAS, cafeteiras italianas que revolucionaram a história e o modo de preparo do café e cuja extração também é classificada como espresso. Atualmente, ele é representante exclusivo da marca no Brasil, que todos os anos mantém viva a paixão dos coffee lovers, com novos lançamentos repaginados desse clássico atemporal. “O crescente consumo do café fora de casa nos motivou a desenvolver esse projeto. É uma honra ter o aval da Bialetti na implementação da primeira cafeteria da marca no mundo”, comenta Umberto Milo. Ele conta com a parceria da empresária Márcia Monteiro no negócio. 



Cafés Especiais


O cardápio da Bialetti Cafeteria é composto por cafés com altas notas, o chamado ‘Single Clássico’. Provenientes da Alta Mogiana (região do interior de São Paulo, na divisa com Minas Gerais, que produz alguns dos melhores grãos do mundo), são cafés marcantes, com características de caramelo, chocolate e finalização frutada. Para atender uma variedade maior de paladares, são servidos vários tipos de extração, que vão do tradicional espresso aos métodos de prensa francesa e cafés coados no pour over. Tudo executado por um afiado time de baristas. O cardápio reúne desde um básico ‘Espresso Solo’ (R$7,90) até bebidas especiais como o ‘Irish Coffee’ - espresso, whiskey e creme de leite fresco batido (R$29,90) e o ‘Dry Irish Coffee’ – espresso e whiskey irlandês (R$29,90). Destaque também para a variedade de frappés que vão de framboesa a Oreo.


Além de consumir as bebidas na própria cafeteria, os clientes podem levar os grãos para o preparo do seu café preferido em casa. Também há a opção de moê-los na hora. A casa também está disponibilizando dois micro-lotes, ampliando assim a variedade de blends. Direto das montanhas do Caparaó (MG), podem ser degustados o ‘Calda de Pudim’, com corpo delicado e caramelizado, ideal para quem gosta de doçura e baixa acidez, e o ‘Caparaó’, café com notas de frutas amarelas, acidez média e aroma floral.


Acessórios para os Coffee Lovers


A Bialetti Cafeteria também dispõe de uma longa lista de acessórios para os coffee lovers. Além da icônica Moka Express, disponível desde a versão tradicional até os modelos repaginados e mais moderninhos, a loja oferece a French Press (para extração ao modo de prensa francesa). Destaque também para o Pour Over, para quem não abre mão do café coado. Esse utensílio, em aço inox, dispensa os filtros de pano ou papel. Chás, comidinhas, doces e sucos completam o mix de produtos.


Sobre a Bialetti e sua Moka Express


Fundada em 1919, na pequena aldeia de Omegna (Verbania), a italiana Bialetti ganhou projeção com a invenção da Cafeteira Moka Express, que completa 90 anos, em 2023. Carinhosamente batizada de cafeteira italiana, a Moka revolucionou o modo de preparo do cafezinho doméstico e se consolidou como um ícone do café e do design industrial.

 

A criação do italiano Alfonso Bialetti conquistou o mundo, resistiu ao tempo e foi incluída até no acervo de importantes museus, como o MoMa – Museu de Arte Moderna de Nova Iorque, dada a sua relevância não apenas para o segmento do café, mas para a história do design industrial.

 

A figura do simpático homenzinho, com um farto bigode, estampada no corpo da Moka, é uma caricatura de Renato Bialetti, filho de Alfonso. Ele foi o responsável pela difusão da Moka Express pelo mundo, ao assumir os negócios do pai, no final da 2ª Guerra Mundial, em 1946.


Fotos: divulgação

Comments


bottom of page