• Viviane Campos

EXPORTAÇÃO DE VINHOS BRASILEIROS Uvibra e APEX-Brasil firmam convênio, acelerar internacionalização

P

Protocolo assinado em jantar realizado no Vale dos Vinhedos abre oportunidades de desenvolvimento do setor vitivinícola brasileiro, além de ganho de competitividade


O Brasil quer ampliar sua exportação de vinhos e espumantes, além de suco de uva. O desempenho no ano passado foi positivo, mesmo diante de uma pandemia global e todos seus entraves. Entretanto, o volume ainda é pequeno. Diante da necessidade de promoção do setor no mercado externo, a União Brasileira de Vitivinicultura (Uvibra), a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos - Apex-Brasil e o Ministério das Relações Exteriores assinaram um protocolo conjunto de apoio, com vigência de 24 meses, que prevê diversas medidas alinhadas ao mesmo propósito. O ato ocorreu na sexta-feira, 9 de julho, durante jantar realizado na Vinícola Miolo, no Vale dos Vinhedos, com a presença do Presidente da República, Jair Bolsonaro.

O documento foi assinado pelo presidente da Uvibra, Deunir Luis Argenta; pelo Ministro das Relações Exteriores, Embaixador Carlos Alberto Franco França e pelo presidente da Apex-Brasil, Augusto Souto Pestana. O texto compromete as partes a atuar em busca do posicionamento do Brasil como referência em espumantes do Hemisfério Sul, destacando-se como o principal player na categoria, com referências às premiações relevantes conquistadas no mundo inteiro. O documento também traz o compromisso de formatar um novo Projeto Setorial com o desenvolvimento de ações de promoção no contexto dos 200 anos da Independência do Brasil. Além de fomentar as exportações do setor, o acordo visa ampliar mercados, aumentando o brand awareness (notoriedade da marca) nos países prioritários de destino. Por fim, prevê a coordenação de ações de atração de investimento estrangeiro para o fortalecimento da cadeia produtiva e das empresas do setor.

Para alcançar estes objetivos, as Embaixadas e Consulados Gerais servirão como plataformas de divulgação desses produtos, em ações de promoção e imagem organizadas em mercados-alvo a serem definidos de comum acordo entre as partes envolvidas. O presidente da Uvibra, Deunir Argenta, destaca a importância de manter esta relação próxima e ativa para seguir avançando na busca dos objetivos comuns. “O Brasil é reconhecido mundialmente pela qualidade de seus vinhos, espumantes e sucos, mas precisamos avançar, conquistar mais espaço, ampliar o volume exportado que ainda é muito pequeno”.

Os dados oficiais com base no Sistema de Cadastro Vinícola da Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do Rio Grande do Sul e do Ministério da Agricultura, mostram que o volume em litros de vinhos finos que saiu do Brasil rumo a outros países passou de 3,4 mi em 2019 para 4,4 no ano passado, um impulso de 29,85%. O crescimento também acompanhou os espumantes que foram de 686 mil para 771 mil, um aumento de 12,29%. Já o suco de uva, teve uma queda expressiva de 43,13%, indo de 2,4 mi para 1,3 mi. “Percentualmente caminhamos num crescimento constante, mas o volume ainda é muito pequeno. Temos um longo caminho pela frente”, garante Argenta.

Nos quatro primeiros meses de 2021, 1,9 milhões de litros de vinhos finos brasileiros saíram do país, ou seja, 169,23% a mais que no mesmo período de 2020. Já o suco de uva, com exportação de 879 mil litros, teve um impulso maior com aumento de 239,16%. Porém, está longe de alcançar o desempenho de 2019 quando o volume foi de 1,02 milhões de litros.

Fotos: Palácio do Planalto

Legenda: Deunir Argenta assina documento firmado com Apex-Brasil e Ministério das Relações Exteriores