top of page
  • Foto do escritorViviane Campos

Espaço Cultural Renato Russo abre novas inscrições para cursos voltados a adultos e família


Fotografia, artesanato e jogos teatrais são algumas das atividades gratuitas

 


O Espaço Cultura Renato Russo está com inscrições abertas para novos cursos e oficinas. Ao todo são 12 atividades voltadas para o público adulto e uma voltada para a família. Fotografia, pandeiro de couro, jogos teatrais, artesanato e canto estão entre as aulas gratuitas oferecidas pelo Espaço.


Destaque para as aulas de Musicoterapia destinada a adultos com dificuldade psicomotora ou fala, adquirida e para oficina de Boneco de Mamulengo, em que crianças e adolescentes podem participar, desde que acompanhados do responsável. A ideia é que seja realizada uma atividade mista.


Tradicionalmente conhecido por incentivar e acolher as artes na cidade, o Espaço Renato Russo segue, por meio desses cursos gratuitos, fomentando a cultura e revelando novos talentos. “O instituto Janelas da Arte segue com o intuito de ofertar ao público uma diversidade de fazeres artísticos, envolvendo diferentes linguagens em forma de oficinas, cursos e vivências”, comenta o professor Fabiano Medeiros, coordenador do Programa Pedagógico-Formativo.


As aulas começam agora em março e são oferecidas pelo Instituto Janelas da Arte, Cidadania e Sustentabilidade, por meio do Programa Pedagógico-Formativo e participação na composição da programação do Espaço Cultural Renato Russo, com fomento da Secretaria de Cultura do Distrito Federal. As inscrições estão abertas, possuem vagas limitadas e podem ser feitas pelas redes sociais do Espaço Cultural Renato Russo (ECRR) @espacoculturalrenatorusso ou www.espaçoculturalrenatorusso.com.br.

 

Cursos e Oficinas gratuitos no Espaço Cultural Renato Russo:

 

Produção cultural negra brasileira: provocações e transformações

 

Instrutores: Romário Almeida e Saulo de Tasso

Data: 13/03, 14/03, 15/03, 16/03 e 17/03

Horário:  14h às 18h

Público: a partir de 18 anos

Sala: Teatro de Bolso

 

O curso “Produção cultural negra brasileira: provocações e transformações” tem como objetivo sensibilizar profissionais e aspirantes a produtores culturais para as questões ligadas a essas produções (invisibilização, apagamento, folclorização e apropriação das artes e culturas de matriz africana). Além disso, promove a discussão sobre a potencialidade dessas criações. A formação é voltada para profissionais e estudantes das áreas de artes e ciências humanas, produtores culturais atuantes em seus territórios e público geral interessado no tema produção cultural negra brasileira.   



Romário Almeida é bacharel em Comunicação com ênfase em Produção Cultural pela UFBA e especialista em Comunicação e Diversidades Culturais. Foi professor do curso de Produção Cultural do Senac/BA e ministrou palestras sobre escrevivências, produção cultural negra, juventudes negras e mídias sociais. Saulo de Tasso é coordenador do Comitê de Prevenção e Combate ao Racismo da FESFSUS, militante do movimento negro e graduando em Psicologia. Ministra palestras sobre racismo institucional, intolerância religiosa e importância da saúde mental da população negra.

 

 

Oficina Memória e resistência: literatura brasiliense e questões raciais no romance Eu, Kalunga

 

Instrutor: João Pedro Pereira Rocha

Data: 14/03 e 15/03

Horário: 14h às 18hPúblico: a partir de 18 anos

Sala: Gibiteca

 

A proposta traz a literatura e a literatura brasiliense para o centro de discussões e reflexões em torno e a partir dos aspectos que ligam memória a questão étnico-racial. Dessa forma, pretende-se divulgar, de forma problematizadora, a produção literária do Distrito Federal que pode levar o leitor a pensar a realidade do tempo presente a partir da problemática do racismo.

- Refletir sobre o modo como a literatura local dialoga com questões inerentes à literatura nacional-Conhecer autor da literatura brasiliense e suas obras-Compreender a relação que a produção literária mantém com a sociedade-Identificar a relação que o romance Eu, Kalunga constrói com a contemporaneidade-Relacionar o enredo do romance Eu, Kalunga com o de outras obras- Discutir o lugar da literatura em Eu, Kalunga na trajetória da literatura brasileira no início do século XXI

 

Musicoterapia

 

Instrutor: Fernando Luz

Data: de 08/03 a 26/04 (quartas-feiras)

HORÁRIO: 09h às 10hPúblico: a partir de 18 anos - foco em pessoas com dificuldades psicomotoras e/ou de fala

Sala: Sala Multiuso

 

A Musicoterapia será conduzida pelo Professor Fernando Luz, com foco no auxílio a pessoas com dificuldades psicomotoras e/ou de fala, adquiridas. O objetivo da atividade é utilizar a música como ferramenta de apoio ao processo terapêutico de recuperação da motricidade. Só poderão participar da atividade pessoas com mais de 18 anos. Fernando Luz, brasiliense de nascimento e coração, iniciou seus estudos de Musicoterapia na Universidade de Buenos Aires em 2014. Desde então, vem procurando se aperfeiçoar nessa área. Concluiu a Pós graduação em Musicoterapia pelo Conservatório Brasileiro de Música do Rio de Janeiro em 2017. Desde então, atende em domicílio e presta serviços para algumas clínicas no Distrito Federal. Desde o início do ano de 2022, apresenta com Gisele Meire e Mário Sartorelo, o Podcast da Associação de musicoterapia do DF “MUSIOQUÊ”. Nesse podcast o público geral pode ter uma noção do universo da Musicoterapia. Fernando atende pessoas com Down, demências, afásicas e autistas, como também as chamadas neurotípicas. Faz atendimentos em Português, inglês e espanhol.

 

Curso de Introdução à Fotografia

 

Instrutores: Tainá Xavier e Lucas Ramos - Fotocoletivo Lumics

Data: de 07/03 a 18/04 (terças e sextas-feiras)

Horário: 14h às 16hPúblico: a partir de 18 anos

Sala: Teatro de Bolso

 

A proposta do curso Introdução à Fotografia consiste em um curso de apresentação da linguagem fotográfica. O curso será composto por 8 aulas teóricas e práticas, tendo cada uma duração de 2 horas, somando assim 16 horas de curso no total. O curso pretende um acompanhamento no desenvolvimento das atividades dos participantes. Com a alternância de aulas teórico- práticas será possível a visualização dos conceitos na produção de imagens em dispositivos fotográficos. Não podem participar da Turma de Março pessoas que já fizeram o curso na Turma de Janeiro. O Fotocoletivo Lumics, consiste em uma parceria de dois apaixonados por fotografia, Tainá Xavier e Lucas Ramos. Além dos serviços comerciais, também nos voltamos para a produção, pesquisa e difusão da fotografia autoral. Por acreditar na imagem contemporânea como algo essencial, buscamos formas para a comunicação desta linguagem. O coletivo trabalhou na produção de eventos no campo da arte e cultura. Uma das frentes é a RIZOMA, que consiste em um projeto que tem como objetivo a democratização da arte, e criação de redes entre os diversos agentes da área. Desde eventos como feiras, criação de espaços virtuais para a comunicação, valorização e divulgação de artistas e seus trabalhos autorais na fotografia. Além disso, fiemos parte da coordenação da monitoria de aulas do Espaço Cultural F508, e em Brasília e ministramos cursos autônomos e em espaços como o Espaço Cultural Renato Russo de Brasília, Espaço de projetos e pesquisa NAVE e Espaço Cultural F508.

 

Pandeiro de couro para iniciantes - Módulo I

 

Instrutor: Júnior Viegas

Data: de 15/03 a 31/05 (quartas-feiras)

Horários:

Turma 1 - 12:00 às 14:00

Turma 2 - 14:00 às 16:00

Público: a partir de 18 anos

Sala: Teatro de Bolso

 

Júnior Viegas é formado em pandeiro pela Escola Brasileira de Choro Raphael Rabello, e estudante de percussão erudita na Escola de Música de Brasília. É especializado em ritmos populares como Samba, Choro e demais ritmos regionais. Sua versatilidade o permitiu, por muitas vezes, subir ao palco com grandes estrelas da música brasileira, como Roberta Sá, Hamilton de Holanda, Jorge Aragão, Mílton Nascimento, Dudu Nobre, Eduardo Neves, Rita Ribeiro, Oswaldinho do Acordeon, etc. Já participou de turnês na África, Europa, América do Norte e América Latina. Co-Criador do projeto Aprendendo Percussão com mais de 2.000 alunos e mais de 12 milhões de visualizações no YouTube, atualmente também é professor de Percussão Popular na Escola de Choro de Brasília.

 

Jogos Teatrais

 

Instrutor: Márcio Menezes

Data: de 13/03 a 28/06 (segundas e quartas-feiras)

Horáios:

Turma 1 - 17:00 às 19:00

Turma 2 - 19:30 às 21:30

Público: a partir de 18 anos

Sala: Teatro Galpão Hugo Rodas

 

A oficina de Dramaturgia Aberta foi criada pelo professor e diretor de teatro, Márcio Menezes, com objetivo de desenvolver capacidades criativas e interativas por meio de jogos teatrais. As técnicas trabalhadas na oficina provocam os participantes para a necessidade de atuar fora da zona de conforto, aprimorar a capacidade de superação, trabalhar com a resposta negativa e saber trabalhar sob pressão. Também saber lidar com situações de exposição, constrangimento e, principalmente, conviver com as diferenças. Ao final da jornada, além do fazer teatral, o participante terá passado por uma experiência de autoconhecimento, empatia e adquirido habilidades importantes para o convívio em sociedade e respeito com o outro. 



Márcio Menezes é formado pelo CEN/IdA/UnB e mestre em Teatro, Drama e Educação pela FE UnB onde defendeu em 2010 a dissertação Dramaturgia Aberta – Dispositivo, Abertura e Participação. A dissertação é o resultado de trabalho como dramaturgo, diretor e ator em inúmeros projetos de teatro desenvolvidos com diversos parceiros e instituições, onde a poética de abertura era o norte da criação artística. Trabalhou na Cia. Piramundo, no Grupo dos Homens, na Andaime Cia de Teatro, na Cia. Italiana de Teatro Ladrão e no Coletivo Tombado. Em parceria com essas companhias pesquisou a poética das formas abertas e o desenvolvimento de uma metodologia de trabalho de ator que se configura como um dos diferenciais da pesquisa da Dramaturgia Aberta, um método próprio de construção de espetáculos visando à autonomia do ator e do espectador no processo de criação. A partir da criação coletiva, da improvisação teatral, do espaço fluído e da relação com o público.

 

Oficina de Artesanato - Crochê com fio de malha


Instrutora: Carla Oliveira

Data: de 11/03 a 01/04 (sábados)

Horáio: 09:00 às 11:00Público: a partir de 18 anos

Sala: Sala de Atividades


A proposta principal da Oficina é ensinar uma técnica que possibilite o bem estar básico, melhorando não só a criatividade, mas possibilitando uma nova fonte de renda. A metodologia que será utilizada se aplica a pessoas de todas as idades, sendo propícia para o ensino da técnica do crochê em fio de malha. Cada aula é única e o mais impressionante é que com a mesma orientação há diversas possibilidades de criação.  Carla Gonçalves de Oliveira tem 26 anos, reside na cidade satélite Riacho Fundo I. É estudante de pedagogia e serviço social, da Universidade Católica de Brasília. Ministra oficinas de crochê em fio de malha há dois anos, tendo começado a ensinar na pandemia, como um refúgio nesse período tão difícil.


Panorama Geral da História das HQs


Instrutor: Matheus Calci

Data: 11/03 (sábado)

Horário: 14:00 às 18:00

Público: a partir de 18 anos

Sala: Gibiteca

 

O curso se propõe a apresentar e explicar, de forma introdutória, como funcionam os mercados de histórias em quadrinhos em diversos países. Desde suas origens até estilos vigentes atualmente. Fomentando o debate e entendimento da evolução dessa mídia que sempre foi popular e importante para o letramento da população.

 

Curso de Haicai


Instrutor: Javier Valado

Data: de 09/03 a 30/03 (quintas-feiras)

Horário: 19h às 20:30

Sala: Sala de Atividades

 

Na Oficina de Haicai será apresentado o haicai como gênero poético. Serão trabalhados, de forma individual e coletiva, os aspectos formais e modernos da linguagem e da gramática. A oficina será um espaço de experimentação onde se fortalecerão as sensibilidades poéticas.



 Javier Valado é argentino, residente no Brasil desde 2013. Desde 2019 no Distrito Federal. Em 2020 começou a trabalhar com poesia haicai como escritor e professor publicando seus livros, ministrando aulas e cursos de haicai em diversas instituições educativas e culturais no Distrito Federal. Desde setembro de 2022, realiza a peça de fantoches "Cadê a Vovozinha? Uma história diferente de Chapeuzinho e o Lobo" seu primeiro projeto como autor de teatro de Fantoches. Esta peça é experimental por misturar o  Esta peça é experimental por misturar o teatro de fantoches, a poesia haicai, a improvisação e a participação do público. Também é co-fundador e integrante do coletivo cultural "Proyectos Huauque" junto a Yann Maury-Robin (Argentina, França e Brasil).

 

Oficina de Boneco de Mamulengos

 

Instrutor: Aguinaldo Algodão

Datas: 12/03, 26/03, 05/04, 12/04 e 19/04 (domingos)

Horário:

Turma 1 – 10:00 às 12:00

Turma 2 - 14:00 às 16:00

Público: para família – crianças e adolescentes precisam estar ACOMPANHADOS POR ADULTO

Sala: Galpão das Artes

 

A Oficina de Boneco de Mamulengos pretende além de ensinar, mostrar e despertar no participante o interesse na arte secreta dos bonecos, desde os objetos e materiais usados como obra prima à sua atuação e utilização como elemento cênico, tanto para o teatro como para a vida do participante, que por sua vez exercerá entre outros a criatividade o improviso e a diversão.  A oficina será ministrada por Aguinaldo Algodão que é ator, mamulengueiro, arte-educador e artista plástico. Iniciou suas atividades artísticas no ano de 1980, em Olinda/PE. Aos 13 anos, participou de várias oficinas com mestres da cultura popular em uma convivência produtiva e de aprendizado. Também participou devários grupos de teatro, como o Fruta Pão, Mamulengo Só Riso e Mamulengo Fantochito, entre outros. No ano de 1985 radicou-se em Brasília, onde criou e trabalhou em diversos grupos como o Mamulengo Presepada, Grupo Retalhos, Esquadrão da Vida, Teatro Mapati e Grupo de Educação do Detran/DF. Foi criador de blocos carnavalescos importantes como o Menino de Ceilândia e o Mamãe Taguá. Com esses trabalhos, viajou por várias regiões do Brasil, América Latina e Europa. Em sua longa carreira recebeu os prêmios Teatro Pernambucano e Betinho, sendo titulado,também, pelo IPHAN, como Patrimônio Imaterial do Brasil. Atualmente preside a Associação Candanga de Teatro de Bonecos (ACTB) e integra o Ponto de Cultura Invenção Brasileira.

 

Serviço:

Espaço Cultural Renato Russo -508 Sul, bloco A

Informações e inscrições:

@espacoculturalrenatorusso

Funcionamento: terça a domingo, das 10h às 20h


Fotos: divulgação

Comments


bottom of page