top of page
  • Foto do escritorViviane Campos

A alegria das cozinhas coloridas no décor de interiores

Nas últimas décadas, as cores mais intensas ficaram de lado para dar espaço a espaços com atmosfera mais clean. Ressignificadas, as cozinhas coloridas retornam com uma nova leitura e equilíbrio, contribuindo com o bem-estar dos moradores



Na década de 1970, o colorido era intenso e presente tanto na marcenaria, revestimentos e eletrodomésticos. Hoje, sua presença é realizada sob medida e zelando pelo equilíbrio, conforme essa cozinha realizada pelo arquiteto Bruno Moraes. Com a predominância do branco na bancada e na marcenaria dos armários, a cerâmica azul, com detalhes em branco e preto, introduziu uma nova identidade na arquitetura de interiores | Projeto BMA Studio| Foto: Guilherme Pucci

 

As cores são responsáveis por proporcionar diferentes sensações nos ambientes. Do aconchego à alegria, cada paleta entrega ao décor a sua sintonia e significado. Em décadas passadas – nos idos de 1970 –, as cozinhas também se destacavam pelas tons fortes, inclusive nos eletrodomésticos, mas depois de explorada por muito tempo, a atmosfera clean voltou a reinar, como se as outras propostas do círculo cromático não pudessem mais marcar presença nesse ambiente.


Em uma releitura, ela, que é um coração pulsante das casas, voltou a se destacar pela ousadia de tonalidades que fazem bem no dia a dia e contagia os moradores. Ao ser repaginada, ressignificar o uso nas cores nas cozinhas veio acompanhado pelo equilíbrio, como estratégia para conter um grande medo: o de enjoar. “Em tempos passados, a intensidade era a tônica das cores nos projetos, mas hoje a proposta não é a de pesar, mas sim de trazê-las sob medida, com um ‘que’ de descrição e vivacidade”, analisa o arquiteto Bruno Moraes, à frente do BMA Studio. De acordo com ele, o entendimento é simples: se as paredes receberem revestimentos de tons intensos, os móveis seguirão uma linha mais neutra, com uma paleta mais clara ou tons de amadeirado. “Ou vice-versa”, complementa.


Acompanhe o raciocínio compartilhado por Bruno Moraes para os projetos de cozinhas coloridas:

 

A inserção no décor


Como ponto de partida, o profissional afirma que é necessário quebrar o paradigma do medo que ainda paira sobre cozinhas coloridas. “O receio é recorrente e compreensível. Por isso, sempre ressaltamos para nossos clientes que, antes de inseri-las, fazemos um estudo para entender as cores que combinam com aquele estilo de projeto. O caminho é acompanhar as orientações do círculo cromático e as indicações existentes dentro da psicologia das cores, principalmente para esse espaço”, orienta.



Na cozinha deste apartamento, o arquiteto Bruno Moraes conciliou a delicadeza dos armários em verde com o despojado dos elementos presentes no décor industrial. Como esse ambiente da casa é praticamente uma estação de trabalho, é imprescindível que ele ofereça extrema praticidade, conforto, uma boa circulação e um projeto luminotécnico inteligente | Projeto BMA Studio| Fotos: Guilherme Pucci

 

E ao contrário do que muitos pensam, incluir cores na cozinha não significa torná-la um espaço chamativo. “A combinação de cores parece simples, mas não é. Sinceramente, é fácil de errar e ficar cafona”, alerta o arquiteto. Ainda assim, em cozinhas, ele declara seu apreço por trabalhar tons azulados e esverdeados combinados com cores neutras, pois elimina-se o risco de uma decoração carregada. “Basicamente, o pensamento que nos ajuda a decidir na cozinha é o mesmo de outros ambientes e, entre esses atributos, analisamos o estilo de vida do cliente, idade, cultura e a regionalidade, entre outros pontos”, detalha.



Esta cozinha azul é sinônimo de tranquilidade, alegria e aconchego. Neste conceito aberto e de convívio para receber os convidados, o tom do mobiliário escolhido pelo arquiteto Bruno Moraes exalta um visual contemporâneo e, ao mesmo tempo retrô, com o revestimento hexagonal aplicado no frontão. Embora colorida, o resultado da cozinha não se sobressaiu perante os demais ambientes que estão integrados| Projeto BMA Studio| Fotos: Guilherme Pucci



O verde menta combina com qualquer ambiente da casa, tanto como cor predominante, como em um papel secundário. Neste duplex realizado pelo arquiteto Bruno Moraes, ele resultou na sensação de tranquilidade e, ao se reunir com a madeira do mobiliário e o revestimento colorido do backsplash, tornou-se original e aconchegante | Projeto BMA Studio| Fotos: Guilherme Pucci

 

Sobre a combinação das cores, Bruno sustenta a importância de o morador contar com a consultoria de um arquiteto ou designer de interiores. Assim como as pessoas têm contato com especialistas em colorimetria para descobrir a paleta que melhor combina com o tom de pele e o estilo, o mesmo raciocínio também se aplica nessa decisão dentro da arquitetura de interiores. “A utilização de cores primárias opostas no círculo de cores tende a deixar o ser humano irritadíssimo ou com o desejo de permanecer por pouco tempo no local. E é justamente isso o que não queremos para nossos moradores e seus convidados”, analisa.



Em mais uma aposta no azul – por aqui, o cobalto, o arquiteto Bruno Moraes combinou a tonalidade com uma marcenaria mais clássica, pautada pelos puxadores concha e os vidros na parte superior dos armários | Projeto BMA Studio| Fotos: Guilherme Pucci


Utilizando cores sem enjoar!

 

Outro receio indicado pelo arquiteto Bruno Moraes diz respeito às questões de tendência e o que entra e sai de moda. Entretanto, ele defende que a decisão bem elaborada foge desses temores e que há como colorir a cozinha dentro de uma proposta atemporal. “Eu percebo que, quem já nos pede, de cara, as cores nesse ambiente está em busca de um lar mais vivo e descontraído”, compartilha. “Mas, na maioria das vezes, somos nós, profissionais de arquitetura, que argumentamos e desfazemos o medo de arriscar”, diz ele. Nessas ocasiões, uma boa condição é concentrar as cores apenas em um ponto visual e sem exagerar. Seja qual for a opção, é possível criar atmosferas, cenários e composições que conversam diretamente com a personalidade dos moradores.



Neste projeto, o mix da marcenaria cinza, ao lado da cozinha, se apoia no amadeirado claro e no verde visualizado no ambiente. “Particularmente, utilizo muito da seguinte técnica: aproveitar cores em pontos específicos, como o mobiliário, evitando assim, um poluição visual”, detalha o arquiteto Bruno Moraes | Projeto BMA Studio | Fotos: Luis Gomes



Entre as inúmeras possibilidades de utilização de cores em cozinhas, concentrar o colorido em eletrodomésticos também é uma dica de ouro. Nessa cozinha produzida pelo arquiteto Bruno Moraes, o frigobar azul foi o grande responsável por trazer vivacidade ao ambiente | Projeto BMA Studio | Foto: Luis Gomes

 

Sobre BMA Studio 

 

Criado há 14 anos, o escritório é comandado por Bruno Moraes, arquiteto formado pela Faculdade Belas Artes de São Paulo (FEBASP) e pós-graduado em Gerenciamento de Empreendimentos na Construção Civil pela FAU Mackenzie. Bruno já passou por grandes escritórios, como o do arquiteto Siegbert Zanettini.  

 

Atua nas áreas de gerenciamento e execução de obras, concepção de projetos de casas, reforma de apartamentos, stands de apartamento decorado, retrofits, espaços corporativos e áreas comuns de edifícios. Dispõe de equipe própria de obra treinada para gerir os trabalhos com processos inteligentes, com diferenciais como um aplicativo personalizado para gestão das obras. Entre seus principais clientes estão: o Grupo Volkswagen, as multinacionais Arauco e Fabbri, os escritórios da Tecban (Banco 24h), as Sorveteiras Rochinha, um projeto de revitalização urbana no bairro do Bixiga. Além de obras diversas executadas em todas as regiões do Brasil e uma participação na Mostra Casa Saudável HBC.  

 

A marca BMA Studio conta com trabalhos e vídeos publicados em importantes veículos de arquitetura do Brasil. Bruno é colunista do Portal PiniWeb, é apresentador do PodCast de Arquitetura Corporativa para o ClubCasa Design, foi apresentador do PodCast do Viva Decora e desde 2019 participa do quadro de decoração do Programa da Eliana, no SBT. Em 2023, marcou sua estreia na maior mostra de arquitetura das Américas, a CASACOR São Paulo. Com seu ambiente ‘Cozinha Funcional’, foi vencedor do prêmio Melhor Ambiente, na categoria Cozinha Integrada ou Cozinha Gourmet, concedido pela VEJA São Paulo na 36ª edição. 

 

BMA Studio 

@brunomoraesarquiteturastudio 


Fotos: di

Commenti


bottom of page